Arquivo do mês: junho 2010

A Importância de um Mentor

Sempre achei a sinuca um jogo muito bonito e técnico. Trata-se de um esporte ao mesmo tempo acessível e marginalizado, justamente porque o material para a prática encontra-se em qualquer botequinho de esquina, onde bêbados cruzam seus braços sobre o balcão a espera da próxima cerveja.

Eu costumava jogar quando era mais jovem, mas depois que os compromissos da vida corporativa prevaleceram, passei somente a acompanhar a distância.

Um belo dia, um amigo de um amigo que era exímio jogador, me sugeriu colocar uma mesa em casa. Estava construindo uma área de lazer, e ele, me conseguiu uma mesa usada em excelente estado, que comprei e deixei guardada no depósito, esquecida, por um ano.

Quando a obra ficou pronta, montei a mesa, comprei as bolas e os tacos e comecei a jogar um pouco. Nem preciso dizer que este excelente jogador era quem vencia as partidas. Os efeitos, as jogadas mais técnicas e a diversão de ter amigos em casa, faziam com que minha vaidade ficasse de lado.

Praticamente um Rui Chapéu

Em 2008, tive a oportunidade de duelar com um senhor de uns setenta anos, que havia ganhado vários torneios quando mais jovem. Este prontamente me perguntou que mesa eu havia comprado, que bolas, tacos e que regras eu gostaria de jogar. Então pediu para que eu iniciasse a partida. Humilhação a vista! Lá ia eu perder para o velhinho.

Dei a saída, de forma que as bolas não se espalharam. Ele pacientemente colocou-as novamente no lugar e me disse: “Meu jovem. Quando der a primeira tacada, jogue a bola azul para a esquerda e posicione a branca para a direita”. Dei a tacada novamente e fiz como ele mandou. Começamos a jogar. Na verdade eu jogava, e ele observava.

Com seu olhar clínico, em pouco tempo notou quais eram meus erros de posicionamento, e começou a corrigi-los. Parecia magia. Com apenas algumas dicas, notei que as tacadas melhoraram muito. Tanto que em uma jogada específica, errei a bola e ele me disse: “Jovenzinho. Independente quem seja seu professor, quem esteja te ensinando, uma coisa não dá para aceitar. Você pode errar a jogada e o efeito! A bola jamais! Jamais!! Assim, como num jogo de xadrez, pense sua jogada antecipadamente, tenha calma e posicionamento”.

Seguindo suas recomendações, não errei mais a bola. E, a medida que íamos jogando, ele fazia suas observações. Fiz então uma analogia entre aquele simples jogo de sinuca e a vida corporativa.

Como seria benéfico se tivéssemos a supervisão de alguém mais experiente em nosso ambiente profissional, seja ele qual for. Alguém que tivesse bagagem, tendo passado por diversas etapas, enfrentado muitos “perrengues”, “engolido muitos sapos”, obtido muitas vitórias, alcançado muitos resultados, e que, ao mesmo tempo fosse acessível, não abrindo mão da humildade e honestidade com suas colocações.

Nossa performance seria consideravelmente melhorada, se um mentor nos ajudasse a encontrar e superar nossos pontos fracos. Com pequenos ajustes e sugerindo maneiras de superá-los, abriria novas perspectivas para nosso desenvolvimento.

O mentor nos mostra qual o caminho a percorrer.

Sei que posso melhorar muito meu jogo, tanto no campo esportivo, quanto no profissional. E você? Tem um mentor na sua vida corporativa ou vai correr o risco de ir para a caçapa?

Anúncios

O Homem Sem Dinheiro

Economista passa 18 meses vivendo sem dinheiro e diz que nunca foi tão feliz

Um economista britânico que passou os últimos 18 meses vivendo sem dinheiro está lançando um livro em junho contando a sua experiência (The Moneyless Man, ou O Homem Sem Dinheiro, em tradução livre) e diz que nunca foi tão feliz ou tão saudável.

Mark Boyle

Mark Boyle começou seu experimento em novembro de 2008, aos 29 anos, com o objetivo de chamar a atenção para o excesso de consumo e desperdício na sociedade ocidental.

Na ocasião, ele se mudou para um trailer que ganhou de graça no site de trocas britânico Freecycle e passou a trabalhar três dias por semana em uma fazenda local em troca de um lugar para estacionar o trailer e um pedaço de terra para plantio de subsistência.

Uma vida sem luxo

Dezoito meses depois ele afirma que não pensa em voltar a usar dinheiro e que, com o que ganhar com a venda do livro, pretende comprar um pedaço de terra para montar uma comunidade em que outras pessoas que queiram viver sem dinheiro, como ele, possam morar.

`Foi o ano mais feliz da minha vida`, disse Boyle, 12 meses depois de começar a experiência, `e não vejo nenhum motivo para voltar a um mundo orientado pelo dinheiro`.

`Foi libertador. Há desafios, mas não tenho o estresse de uma conta bancária, contas, engarrafamentos e longas horas em um trabalho do qual que não gosto.`

A parte mais difícil, conta ele, foi manter uma vida social sem dinheiro, mas ainda assim ele classifica o ano como tendo sido `fantástico`.

Boyle continua a viver no trailer em Timsbury, no sudoeste da Inglaterra, onde cozinha em um fogão de lata movido a lenha e colhe comida nas florestas, além de plantar alguns legumes para seu próprio consumo.

Ele também construiu um banheiro séptico – uma fossa – do lado de fora do trailer, onde um biombo de madeira garante sua privacidade.

Para garantir a eletricidade, Boyle usa painéis solares. Ele também usa um chuveiro solar – um saco de água coberto de preto, que esquenta sob o sol.

Boyle tem acesso à internet de banda larga em troca de serviços em uma fazenda próxima, e criou o site Just For The Love of It (`Só por amor`, em tradução livre), onde promove a troca de serviços e empréstimo de objetos e ferramentas entre seus membros, pela simples `bondade`.

Sua ideia é que as pessoas passem a confiar mais umas nas outras e comecem a se ajudar e trocar favores.

Ao começar a experiência, Boyle disse acreditar que `a falta de relação que temos do que consumimos é a primeira causa da cultura de desperdício que vivemos hoje`.

`Se tivéssemos que plantar nossa própria comida, não desperdiçaríamos um terço dela.`

Sua mensagem, diz ele, é: `consuma um pouco menos`.

`Não espero que ninguém vá ao extremo do que fiz neste ano, mas temos questões como o ponto sem retorno das mudanças climáticas chegando, e acredito que temos que levar essas coisas a sério.`

`Então, use menos recursos, use menos dinheiro e um pouco mais de comunidade. Essa, provavelmente, a mensagem que eu daria.

FONTE: BBC BRASIL


%d blogueiros gostam disto: