Arquivo da tag: metas

A Importância de um Mentor

Sempre achei a sinuca um jogo muito bonito e técnico. Trata-se de um esporte ao mesmo tempo acessível e marginalizado, justamente porque o material para a prática encontra-se em qualquer botequinho de esquina, onde bêbados cruzam seus braços sobre o balcão a espera da próxima cerveja.

Eu costumava jogar quando era mais jovem, mas depois que os compromissos da vida corporativa prevaleceram, passei somente a acompanhar a distância.

Um belo dia, um amigo de um amigo que era exímio jogador, me sugeriu colocar uma mesa em casa. Estava construindo uma área de lazer, e ele, me conseguiu uma mesa usada em excelente estado, que comprei e deixei guardada no depósito, esquecida, por um ano.

Quando a obra ficou pronta, montei a mesa, comprei as bolas e os tacos e comecei a jogar um pouco. Nem preciso dizer que este excelente jogador era quem vencia as partidas. Os efeitos, as jogadas mais técnicas e a diversão de ter amigos em casa, faziam com que minha vaidade ficasse de lado.

Praticamente um Rui Chapéu

Em 2008, tive a oportunidade de duelar com um senhor de uns setenta anos, que havia ganhado vários torneios quando mais jovem. Este prontamente me perguntou que mesa eu havia comprado, que bolas, tacos e que regras eu gostaria de jogar. Então pediu para que eu iniciasse a partida. Humilhação a vista! Lá ia eu perder para o velhinho.

Dei a saída, de forma que as bolas não se espalharam. Ele pacientemente colocou-as novamente no lugar e me disse: “Meu jovem. Quando der a primeira tacada, jogue a bola azul para a esquerda e posicione a branca para a direita”. Dei a tacada novamente e fiz como ele mandou. Começamos a jogar. Na verdade eu jogava, e ele observava.

Com seu olhar clínico, em pouco tempo notou quais eram meus erros de posicionamento, e começou a corrigi-los. Parecia magia. Com apenas algumas dicas, notei que as tacadas melhoraram muito. Tanto que em uma jogada específica, errei a bola e ele me disse: “Jovenzinho. Independente quem seja seu professor, quem esteja te ensinando, uma coisa não dá para aceitar. Você pode errar a jogada e o efeito! A bola jamais! Jamais!! Assim, como num jogo de xadrez, pense sua jogada antecipadamente, tenha calma e posicionamento”.

Seguindo suas recomendações, não errei mais a bola. E, a medida que íamos jogando, ele fazia suas observações. Fiz então uma analogia entre aquele simples jogo de sinuca e a vida corporativa.

Como seria benéfico se tivéssemos a supervisão de alguém mais experiente em nosso ambiente profissional, seja ele qual for. Alguém que tivesse bagagem, tendo passado por diversas etapas, enfrentado muitos “perrengues”, “engolido muitos sapos”, obtido muitas vitórias, alcançado muitos resultados, e que, ao mesmo tempo fosse acessível, não abrindo mão da humildade e honestidade com suas colocações.

Nossa performance seria consideravelmente melhorada, se um mentor nos ajudasse a encontrar e superar nossos pontos fracos. Com pequenos ajustes e sugerindo maneiras de superá-los, abriria novas perspectivas para nosso desenvolvimento.

O mentor nos mostra qual o caminho a percorrer.

Sei que posso melhorar muito meu jogo, tanto no campo esportivo, quanto no profissional. E você? Tem um mentor na sua vida corporativa ou vai correr o risco de ir para a caçapa?


Investir Dinheiro

Depois da dificil missão de poupar dinheiro, agora chegou a hora de investir em alguma aplicação. Até porque, deixar o dinheiro parado na conta corrente não é uma atitude das mais inteligentes.

Mas como começar?

Primeiro você deve verificar qual o seu perfil de risco, quais os seus objetivos, quais as suas necessidades e quando você deseja que estas necessidades sejam supridas.

Cada investidor possui um perfil de risco, que pode ser conservador, moderado ou agressivo:

  • O investidor com perfil conservador pode ser comparado aos seus avós, dizendo que o mundo já não é mais o mesmo, que no tempo deles tudo era diferente. Eles são totalmente avessos ao risco, não querem se preocupar muito, não querem sofrer com as notícias diárias de crise. O investidor conservador prefere investir em fundos de renda fixa;
  • O investidor com perfil moderado pode ser comparado a seus pais. Este, já está disposto a correr algum risco, porém moderado. Ele guarda dinheiro e acompanha as condições de mercado para aplicar quando a situação se mostrar favorável. Este investidor prefere aplicar seu dinheiro em fundos multimercado, aproveitando o mercado com maior rentabilidade;
  • O investidor com perfil agressivo, é você na ápoca da adolescência. Ganha mesada do pai, além de dinheiro dos tios e avós. Por ter recursos sobrando, está sempre disposto a arriscar. Se algo der errado, seu patrimônio não estará comprometido totalmente. Este investidor pode se dar ao luxo de escolher um investimento que implica em risco, como as ações.
qual o seu perfil?

qual o seu perfil?

 

Cada investidor também possui um objetivo, com uma determinada necessidade, num horizonte de tempo para ser atingido. Exemplos:

OBJETIVO: Reserva para emergências inesperadas
NECESSIDADE: O menor risco e alta liquidez 
HORIZONTE DE TEMPO: Seis meses

OBJETIVO: Reserva para a aposentadoria 
NECESSIDADE: Preservar o poder de compra da moeda 
HORIZONTE DE TEMPO: 15 anos
 
OBJETIVO: Realizar curso no exterior 
NECESSIDADE: Preservar o poder de compra da moeda estrangeira 
HORIZONTE DE TEMPO: 3 anos

OBJETIVO: Dobrar o capital atual 
NECESSIDADE: Assumir mais risco para obter maior retorno 
HORIZONTE DE TEMPO: 7 anos

            

o tempo também vai passar pra você

o tempo também vai passar pra você

Para cada um dos exemplos, existe um investimento mais adequado.

Mas qual seria?

Quando o investidor procura a melhor alternativa, de forma intuitiva ele busca a que melhor combine 3 atributos: Rentabilidade, liquidez e segurança. Sendo que sempre terá que abrir mão de pelo menos 1 destes atributos em favor de outro:

  • Poupança: É um investimento com rentabilidade baixa, liquidez alta e segurança alta;
  • Imóveis: É um investimento com rentabilidade baixa, liquidez baixa e segurança alta;
  • Fundos de renda fixa: É um investimento com rentabilidade moderada, liquidez alta e segurança alta;
  • Ações: É um investimento com rentabilidade alta, liquidez alta e segurança baixa.

Destes, rentabilidade é o mais forte atributo, mas também o mais perigoso, já que rentabilidade passada (lucro passado), não é e nem pode ser garantia de rentabilidade futura (lucro futuro).

 

Análise de Cenários: RISCO x RETORNO ESPERADO

Após escolher o tipo de aplicação, e verificar o seu perfil, o investidor deve ficar atento a análise de cenários que envolvem risco e retorno esperado. Neste caso, investimentos mais conservadores implicam em ganhos mais modestos. Já, pessoas com postura de investimento mais agressivas, tendem a ter rentabilidade mais elevadas, pois estão sujeitos a maiores riscos.

Exemplos:

  1. Fundo com rentabilidade de 20% e risco de 7%
  2. Fundo com rentabilidade de 18% e risco de 2%

O melhor cenário seria o segundo, em que o investidor teria uma boa rentabilidade para um risco menor quando se comparado ao primeiro cenário.

Cenários menos prováveis:
RENTABILIDADE ALTA x RISCO BAIXO (o melhor de todos os cenários)
RENTABILIDADE BAIXA X RISCO ALTO (o pior de todos os cenários)

Cenários mais prováveis:
RENTABILIDADE ALTA x RISCO ALTO
RENTABILIDADE BAIXA x RISCO BAIXO
ou seja, quem não arrisca, não petisca.

ou seja, quem não arrisca, não petisca.

Diversificar os Investimentos

Diversificar é o mesmo que você ir em uma loja de conveniência e comprar um pouco de chocolate, uns refrigerantes e uns salgadinhos. Todos vão fazer você engordar, porém, como as guloseimas são de diferentes tipos, evita o risco de você comer um só. Com os investimentos também funciona assim. Diversificando, você consegue reduzir o risco total de uma carteira de investimentos, pois preços de diferentes ativos não se movem exatamente juntos, ou na mesma direção. Ou seja, você ganha com alguns investimentos, perde com outros, mas o interessante é que no final os ganhos sejam maiores que as perdas.

Como fazer?

Levando em consideração tudo que foi dito acima, e só como forma de exemplo, os recursos poderiam ser alocados da seguinte maneira:

  • Câmbio: 10%
  • Derivativos: 10%
  • Ações: 20%
  • Renda Fixa: 60%

Certamente, o seu gerente nunca comentou sobre estas outras opções, diferentes da famosa poupança. Sabe porque? Como você, ele é um mero empregado que tem que cumprir certas metas na empresa. Uma delas é oferecer o investimento em poupança aos correntistas. Com relação as outras carteiras de investimento, o gerente só irá falar delas se for abordado, indagado. E como você é uma pessoa esperta, vai procurar se informar mais sobre estas diferentes alternativas de investimento, e da próxima vez que sentar para conversar com o engravatado, vai poder escolher as opções que mais se enquadram com o seu perfil e seus objetivos. 

Bons investimentos!

 

Músicas ouvidas durante o post: Bob Dylan – Don´t Think Twice, It´s All Right; Lay, Lady, Lay; Like a Rolling Stone; Queen Jane Approximately; Desolation Row; It Ain´t Me, Babe (LIVE); Mississippi; Most of The Time; Dignity; Someday Baby; Red River Shore; Tell Ol´Bill; Born In Time; Dreamin Of You; Huck´s Tune; 32-20 Blues; Series Of Dreams; God Knows; Can´t Escape From You; Ring Them Bells; Ain´t Talkin; The Lonesome River; Cross The Green Mountain; Duncan & Brady; Cold Irons Bound; Things Have Changed; Tryun To Get To Heaven; Marchin To The City; Mary and The Soldier; Man in Me; Stuck Inside Of Mobile With The Memphis Blues Again; All Along The Watchtower; Blowin´in The Wind; Desolation Row (unplugged); Love Minus Zero – No Limit (unplugged); Dignity (unplugged); Like a Rolling Stone (unplugged); I´ll Be Your Baby Tonight. (Destaque para todas).


%d blogueiros gostam disto: