Arquivo da tag: tv

Uma Idéia Na Cabeça E Muito Dinheiro No Bolso

Mas não aconteceu do dia pra noite. Sorte? Persistência? A pessoa certa no lugar certo? É uma união de coisas que, junto a identificação de um nicho de mercado, fizeram com que uma idéia para resolver um assunto pessoal, se transformasse em uma empresa milionária.

Mapa do Tesouro da Internet

Mapa do Tesouro da Internet

O site Buscapé foi vendido aos Sul-Africanos do Naspers em um negócio que envolveu US$ 342 milhões. Só não direi que a empresa partiu do zero para este valor atual em apenas 10 anos, pois inicialmente os sócios economizavam R$ 100 por mês de seus salários de estágio, investindo numa ferramenta de internet para comparar preços de produtos vendidos nas lojas, tudo para adquirir uma impressora. Não tinham o intuito de ficar milionários, muito menos viajar pelo mundo de férias por alguns anos. Queriam apenas resolver um assunto pessoal, facilitar um processo de busca, quando se descobriu que ninguém havia pensado nisso até então.

No tempo das cavernas a propaganda era feita de boca a boca, talvez com o uso de fumaça. Com o rádio, a divulgação passou a ser mais difundida, e logo em seguida a TV fez com que o marketing criasse novos desejos de consumo. A grande questão sempre foi atingir um maior número de pessoas, seja qual fosse o segmento. A poucas décadas atrás surgiu uma ferramenta que cumpre bem esse papel, de forma praticamente instantânea. A internet. Com ela novas idéias apareceram, novas maneiras de facilitar nossas vidas, mundando hábitos, criando novos desejos, novas formas de divulgação. E quem identificou as necessidades antes, criando formas simples e eficientes para se atingir o público, quem entendeu como a internet deve se incluir no marketing e comunicação, se tornou milionário.

Romero Rodrigues Presidente do Buscapé

Romero Rodrigues Presidente do Buscapé

Mas de onde vem grande parte da receita do site? Ao fazer uma busca de preços no Buscapé, se o consumidor clica sobre determinado produto cadastrado, o lojista detentor deste paga pelo clique ao Buscapé, mesmo que a venda não seja concluída. O site hoje está em diversos países, captando e fazendo comparações de preços de diversas lojas virtuais, é um negócio milionário, e eu nunca cliquei no seu endereço eletrônico para pesquisar ou comprar o que quer que fosse. Confesso que a primeira vez foi essa semana, quando da divulgação de sua venda ao Naspers. Se é uma empresa de sucesso, alguém está clicando. Seja aqui no Brasil, seja na África.

Penso que da mesma forma que empresas de internet existem e fazem novos ricos pelo mundo, sem mesmo você ter participação ou conhecimento, muitas novas formas de enriquecer com a rede de computadores podem ser identificadas. Alguns dados divulgados pelo IBGE contribuem para acreditar nisto. No Brasil em cada 10 domicílios, 3 possuem PC, são 18 milhões de computadores para 191 milhões de brasileiros, e destes apenas 14 milhões estão conectados a internet. Ou seja, são 31,2% de domicílios brasileiros com computador, sendo que destes, somente 24% possuem acesso a internet. Outros dados interessantes mostram a grandeza do nosso país, sua concentração e desigualdades. Destes 14 milhões de PC´s no Brasil, 10 milhões estão localizados na região sudeste. O telefone, que é uma invenção de 1875, seja na forma residencial ou celular, ocupa pouco mais de 80% das casas brasileiras. Isto mostra o potencial de crescimento, identificação de novos nichos, de surgimento de novas idéias, que a internet nos reserva.

O Brasil é um país que não incentiva o surgimento de novas empresas. Não oferece condições para o desenvolvimento do empreendedorismo. Isto está fundido na cabeça das famílias, que preferem ver o filho entrar em uma empresa, saindo dela aposentado depois de 30 anos. Uma legião de funcionários acomodados, medrosos, que possuem boas idéias, mas não tem apoio nem mesmo da própria família para buscar a satisfação com seu próprio negócio. A provável prosperidade morre no primeiro, “não vai dar certo, não seja louco”. O apoio também não acontece nas universidades. Por outro lado, nosso país tem muito a crescer, pois esta nova geração já nasce conectada, com um acesso maior a informação. O público da web pode ser considerado mais qualificado, quando se comparado ao que não a utiliza. Um maior acesso a estas tecnologias pode homogeneizar o povo brasileiro, oferecendo maiores oportunidades ao atingir mais pessoas.

Curiosidade

Curiosidade

Falta de dinheiro e fracassos iniciais não são desculpas. Procurem ler a biografia do homem mais rico do Brasil, o bilionário Eike Batista, que começou comprando pedras preciosas em pequenas quantidades, com dinheiro emprestado e hoje possui negócios em diferentes áreas, um empreendedor nato. Outro exemplo é Silvio Santos, o grande comunicador, que fez fortuna vendendo inicialmente canetas, passando por propagandas de rádio, hoje dono de uma grande emissora de TV. Estes são estímulos, que agora somados a história da empresa Buscapé e seus fundadores, vem para acrescentar os exemplos de sucesso em nosso país, pessoas que transformam sua vocação em maneiras de ganhar dinheiro, muito dinheiro.

Transformar informação em conhecimento, persistência, curiosidade, prazer em descobrir coisas novas, inovação e novos milionários surgirão.

Músicas ouvidas durante o postVivendo do Ócio – Terra Virar Mente; Oh, Não!; Meu Precioso; É Melhor Pensar Duas Vezes; Dilema; Fora, Mônica; Seja Como Quiser; Viés; Lado Ruim, Hey!Hey!; Caindo na Estrada; Rock Pub Baby; Lado Ruim PT II; Amor Em Fúria. Móveis Coloniais de Acaju – Perca Peso (A Terceira Metade do Meu Estresse); Seria o Rolex (Ego e Latrina); Aluga-se-vende (Sujeito a Mudança); Copacabana (Devaneios de Um Cubano Cubista); Menina-moça (A Receita Que Ofélia Não Ensinou); Menina-moça (A Receita Que Ofélia Não Ensinou); Esquilo Não Samba (O Triste e Recorrente Medo); E agora, Gregório (Metamorfossa); Swing hum e meio (O Homem, a Verdade e a Castanha); Do Mesmo Ar (Pra não Dizer que Não Somos Melosos); Sadô-masô (A Vida é Tão Fácil Para Quem Não a Vive); Receio do Remorso (Remorso do Receio). (Destaque para todas).

Anúncios

A TV Não Matou o Rádio

Dizemos que em economia, o termo obsolescência esta relacionado a diminuição de vida útil e do valor de um bem. Isto pode ocorrer devido ao progresso técnico ou ao surgimento de novos produtos. No campo artístico isto também acontece com a resistência de algumas pessoas ao obsoleto. Mas porque esta resistência? Nós mudamos com o passar dos anos, aprendemos coisas novas, conhecemos pessoas novas, estamos em contínuo aprendizado, inovamos. Porque com a tecnologia seria diferente?

oldtimes

O DVD veio para melhorar o formato de áudio e vídeo dos filmes que vemos em casa, e logo se tornará obsoleto, pois o Blue Ray já encanta os aficcionados pelos lançamentos de Hollywood. Esses dias mesmo eu estava conversando com o pessoal em casa sobre o vídeo-cassete que fomos buscar no Paraguay (a muitos anos atrás), e poderíamos fazer o mesmo com o Blue Ray, ou até mesmo um Playstation 3 (serve como video game e leitor de Blue Ray), porque não. O que não podemos é ficar agarrados a um produto que logo estará em desuso. Temos que acompanhar a evolução da tecnologia.

A questão é que, ainda tem gente procurando atrapalhar esta mudança inevitável e natural do universo do download, que a meu ver veio para ficar. A proibição é atitude típica de pessoas mais nostálgicas, que ouvem ou ouviram discos de vinil e/ou fitas cassete, que tinham que ir até uma loja para comprar e pagar caro pelo álbum desejado. Já as pessoas que ainda não atingiram a fase dos enta (quarenta, cinqüenta, sessenta), já nasceram utilizando estas novas tecnologias, além de estarem mais acostumadas com as mudanças repentinas que ocorrem tanto em nossas vidas, quanto no mundo tecnológico.

Estas pessoas mais jovens querem combater seu ponto de vista, batendo de frente com antigas cabeças pensantes. Um bom exemplo vem da Suécia, onde uma estudante de economia de 21 anos chamada Amelia Andersdotter está prestes a entrar no Parlamento Europeu, o que a fará contrastar com os políticos mais velhos que costumam se eleger para a casa. Além de ser muito jovem, o que também chama a atenção é que, ao contrário da atual política de se defender os direitos autorais, com leis restritivas, ela baterá na tecla de que é necessário liberar o download. A indústria do entretenimento, tal qual o DVD ou o CD, deverá evoluir e procurar uma nova forma para continuar a lucrar. Amelia faz parte do Partido Pirata, que defende o download livre, e está ganhando espaço no Parlamento Europeu. Ela é uma das representantes mais votatas do partido e ganhou notoriedade justamente por simpatizar com a causa política, defendendo o que muitos jovens da sua idade defendem, o direito de fazer download. A campanha de Amelia baseou-se como esperado para sua idade, na web. Ela criou site, blog e publicou vídeos no youtube.

Amelia Andersdotter

Amelia Andersdotter

Num momento em que o número de defensores do download livre aumenta na mesma proporção em que surgem leis restritivas, os eleitores, principalmente os mais jovens, abraçam as idéias de Amelia e do Partido Pirata. Ela e o Partido propõem mudanças radicais, em que todos os usos não-comerciais de músicas e filmes seriam liberados, ou seja, se você baixar algo para uso próprio e não for comercializar, tudo bem. Defendem também que toda a obra possua direito de proteção estipulados em 5 anos, caindo após este período em domínio público. Você pode se perguntar, e as Majors (indústria do entretenimento), como iriam lucrar? Bom. Como eu estou pensando em substituir meu DVD por um Blue Ray ou até mesmo um Playstation 3, elas já deveriam começar a pensar em novas formas de lucrar. A atual crise econômica mundial, pede por novas formas de produtos ou serviços. Algumas sugestões: podem lucrar com shows, licenciamento de músicas, merchandising, ou seja, as Majors devem inovar. Eu mesmo baixei o ultimo CD do Oasis, mas por outro lado investi 200 reais no ingresso para vê-los tocar ao vivo aqui no Brasil.

Um projeto de lei que desconecta usuários que estão fazendo download foi apresentado aqui no Brasil. A lei foi derrubada por inconstitucionalidade, mas o Governo ainda quer colocá-la em prática. Em países da Europa, existe uma lei que guarda a movimentação dos internautas. Os responsáveis pelo PirateBay que é usado para baixar músicas e filmes foram condenados, sendo apontados como facilitadores para a pirataria. Como resultado, mais pessoas se filiaram ao Partido Pirata, ou seja, quanto mais medidas restritivas forem tomadas pelos Governos, surgem mais movimentos políticos pela cultura livre. Os consumidores clamam por uma reformulação neste processo de compra e venda.

Seja comprando ou baixando, é tudo uma questão de preferência, de oportunidade, de poder aquisitivo. O próprio vinil está voltando pois identificaram que existe a demanda com os nostálgicos que gostam do barulhinho chiado. Penso que deve haver todas as formas de distribuição, todas as opções. Quem quer comprar o Vinil, compra. Quer o CD ou DVD, pode comprar. Quer baixar, também pode. Tem para todos os gostos e bolsos. A TV não matou o rádio, o download não vai matar a música ou o filme, é tudo uma questão de evolução.


%d blogueiros gostam disto: