Arquivo da tag: publicidade

A História das Coisas

Já se perguntou de onde vem todas as coisas que compramos, e pra onde elas vão?

Vamos refletir…

Anúncios

Prós e Contras da Fusão Sadia-Perdigão

A formação de megacorporações é ou não benéfica ao consumidor e ao mercado?

Esta é uma questão controversa. É uma discussão que permite saber como a sociedade reage a processos que não tem um controle completo.

É meus amigos, muito prazer, sou a globalização.

É meus amigos, muito prazer, sou a globalização.

Aqui no Brasil, já vivenciamos a criação da AmBev, a fusão de Kolynos e Colgate, Nestlé e Garoto e em maio de 2009 a fusão entre Perdigão e Sadia, resultando na Brasil Foods. Podemos analisar esta questão por diversos ângulos:

Do ângulo da empresa, muitas destas antes em crise e a beira da falência, a fusão passa a ser a melhor alternativa de sobrevivência num ambiente concorrencial. Estas se fortalecem, melhoram sua rentabilidade e se tornam mais competitivas para brigar com as corporações internacionais (a internacionalização é demonstrada no nome Brasil Foods, escolhido para designar a fusão entre Perdigão-Sadia). Existe a possibilidade de se diminuírem os custos com publicidade, distribuição e logística. Além de um maior investimento em pesquisa, maiores inovações, modernização, tornando o ramo de atuação da empresa mais dinâmico. Porém estes gastos com desenvolvimento do produto, muitas vezes não chegam ao consumidor, não impactando no preço final (os preços ao invés de caírem, podem até aumentar). Com isto, o faturamento destas megacorporações pode dobrar depois de alguns anos, como ocorreu com a fusão de Nestlé-Garoto. Com este aumento de preços, a participação no mercado que no início da fusão era quase que um monopólio, ao longo dos anos tende a diminuir consideravelmente (o consumidor não é totalmente burro), um exemplo é Kolynos-Colgate, que perdeu 14% do mercado em 8 anos.

Do ângulo do governo, e ai incluí-se a questão da economia do país, o número de empregos oferecidos por estas megacorporações além de se manter pode também aumentar, mais que dobrar em alguns casos, como da fusão entre Brahma-Antártica. É excelente para o país, pois este trabalhador estará recebendo salário e consumindo em diversos setores, movimentando a economia como um todo. Com a internacionalização da empresa, existe inclusive a abertura do mercado de trabalho para o brasileiro em outros países. Esta mesma internacionalização faz com que além do nome da empresa, o nome do Brasil seja levado ao exterior. Passamos a ser o país do futebol, do samba e de empresas lucrativas e competitivas. Com a fusão de empresas nacionais, afastamos o risco do capital estrangeiro adentrar em nosso país, ocasionando evasão de divisas. A arrecadação de impostos também aumenta, chegando a quadruplicar como ocorreu com a fusão entre Nestlé-Garoto e Brahma-Antártica. Estes impostos como todos nós sabemos, são revertidos para o nosso bem estar bem estar dos políticos.

Tem que rir pra não chorar.

Tem que rir pra não chorar.

Do ângulo do consumidor, a realidade é outra. Estas fusões significam a união de antigos rivais. É uma empresa a menos no mercado, diminuindo nossa liberdade de escolha. Este aumento de domínio do mercado, trás efeitos negativos para os consumidores e para os concorrentes menores. Antes, duas grandes empresas brigavam para oferecer o melhor produto, com o preço mais baixo para você. Mas agora estas empresas se uniram. Não existe mais a guerra para atrair consumidores, roubar consumidores da concorrência. O preço pode inclusive aumentar, já que não existirá mais a concorrente para forçar a queda nos preços muitas vezes abusivos. Sem contar a pressão realizada por estas megacorporações a fornecedores e ao seu Zé da mercearia, para evitar o aumento da concorrência.

 

aol-time-warnerAbro aqui um parêntese, pois existe também o outro lado da moeda, as fusões que não vingaram. Um exemplo que não deu certo foi a fusão das gigantes Time Warner e AOL em 2001, considerado um dos maiores da história, envolvendo US$ 124 bilhões. Recentemente, o negócio acabou sendo desfeito, pois nunca consumou a expectativa sobre sua viabilidade. É uma ironia, mas o que muitas megacorporações conseguiriam/melhoraram com a fusão, estas passarão a buscar a partir de agora seguindo com suas próprias pernas, separadas. O desmembramento vai oferecer às duas empresas uma maior flexibilidade estratégica e operacional.

Pois bem. Avaliando estes três ângulos (empresa, governo e consumidor), percebe-se que os maiores interessados e privilegiados são as próprias empresas e o governo. Para nós consumidores, resta esperar o julgamento dos órgãos que analisam estes casos de concorrência e abuso de poder econômico e nos representam. Um deles é o CADE (Conselho Administrativo de Defesa Econômica), que deve fazer um trabalho técnico e resistente a pressões políticas, já que é natural, na economia da concorrência e dos mercados, que haja interesses políticos por trás destas fusões.

A resposta para a pergunta inicial está longe de merecer um consenso de empresas, economistas e órgãos de defesa do consumidor. O que se espera com a fusão e o surgimento destas megacorporações, como Brahma-Antártica, Kolynos-Colgate e mais recentemente Sadia-Perdigão é a modernização destas empresas brasileiras, tornando-as mais competitivas no mercado externo, o aumento na arrecadação de impostos, a manutenção dos postos de trabalho, a diversidade e principalmente a qualidade de produtos, aliada a eficiência dos serviços prestados. Mas para nós consumidores, isso de nada adianta, se os preços praticados por estas megacorporações não sejam acessíveis e justos.

 

Fontes: The Economist, Kolynos Brasil, Nestlé, AmBev, ACNielsen.

 

Músicas ouvidas durante o postThe Divine Comedy – Something For The Weekend; Becoming More Like Alfie; Middle Class Heroes; In & Out of Paris & London; Charge; Songs of Love; Frog Princess; A Woman of The World; Through a Long & Sleepless Night; Casanova; The Dogs and Horses; Timestretched; Bad Ambassador; Perfect Love Song; Note to Self; Lost Property; Eye of The Needle; Love What You Do; Dumb It Down; Mastermind; Regeneration; The Beauty Regime; There is a Light That Never Goes Out (The Smiths cover).  (Destaque para todas).


Vício de Blogar

Pesquisando nos Blogs, encontrei um post muito interessante de 2003, intitulado “Velharia Reciclada – O Blog lhe começa a fazer mal quando…” É justamente o que ocorre quando a pessoa fica viciada em blogar. Vou postar o que a autora Alê Félix escreveu:

O blog começa a lhe fazer mal quando…

-As pessoas perguntam como foi seu dia e você diz para lerem no blog;

-Deixa de sair com os amigos para ler comentários;

-Cria um personagem fictício para comentar no próprio blog;

-Comenta em vários blogs qualquer coisa, só para fazer propaganda do seu;

-Dá reload no blog várias vezes para ver se aumenta o número de visitas no contador;

-Só escreve sobre assuntos que vão lhe render visitas através dos sites de busca;

-Nunca leu um livro, mas acha que pode escrever alguns;

-Acha que um dia pode concorrer à Academia Brasileira de Letras;

-Fica arrasado com críticas e nem consegue dormir;

-Quando está com outras pessoas, só fala de blogs e posts;

-Perde completamente a noção de privacidade, põe nos posts as piores histórias da família e dos amigos e ainda dá nome, endereço e telefone de todo mundo;

-Não consegue ficar um minuto sequer longe do micro; 

-Quando está longe, não vê a hora de voltar pra casa, conferir as estatísticas, os comentários e escrever sobre a sua preocupação em voltar logo para frente do micro;

-Passa o dia pensando no que postar;

-Fica deprimido se não há o que escrever;

-Fica deprimido porque ninguém comenta os seus posts;

-Fica deprimido se o número de visitantes diminui;

-Passa o dia fazendo propaganda do próprio site;

-Quando entra em um banheiro público, deixa o endereço do blog atrás da porta;

-Não agüenta nem ouvir falar a palavra blog;

-Já pensou em tornar-se um serial killer de blogueiros;

-Colocou uma foto no último post e não vê a hora de ser reconhecido nas ruas;

-Não desgruda mais da máquina fotográfica. Toda imagem vale um post;

-Não vê a hora de acontecer um novo encontro de blogueiros;

-Acha que é famoso;

-Acha que é engraçado;

-Acha que deveria receber pra escrever no blog;

-Acha que sua vida vale um filme;

-Acha que é escritor;

-Acha que a sua vida é muito chata, mas que ficaria insuportável sem o blog;

-Acha que é interessante e que suas histórias são impagáveis;

-Transforma qualquer assunto besta em confusão só pra chamar atenção;

-Acha que criticar tudo e todos é uma tática bastante original para o blog e você serem admirados;

-Vive colocando seu nome e o do blog no Google pra ver quem escreveu sobre você;

-Quando não tem nada para fazer, procura erros de português no blog dos outros;

-Senta a boca nos comentários dos blogs populares só para ganhar notoriedade;

-Sabe que tem um português sofrível, mas diz que não se importa e capricha nos erros;

-Manda fazer cartões de visita com o endereço do blog;

-Passa mais de oito horas por dia gerenciando o próprio blog;

-Noventa e nove por cento dos seus amigos tem blog;

-Seus últimos relacionamentos amorosos começaram via sistema de comentários;

-Terminou o namoro via post;

-Já pensou em pedir as contas do emprego para se dedicar mais ao blog;

-Quando está com amigos blogueiros e tem uma idéia para um post, avisa logo: “Eu primeiro! Idéia minha! Post meu!” ;

-Não perde a oportunidade de ser o primeiro a comentar um post;

-Sempre que é o primeiro a comentar um post escreve: “Primeiroooooo!”;

-Fica de mau-humor quando o blog ou suas ferramentas saem do ar;

-Só se relaciona com blogueiros famosos e ignora qualquer um que tenha menos de cem visitas diárias;

-Anda na rua achando que todos sabem quem você é;

-Verifica as estatísticas dos blogs antes de se dar ao trabalho de comentar;

-Acha que um link no seu blog vale mais do que ouro em Serra Pelada;

-Não linka ninguém porque acha que não há blog melhor que o seu;

-Não linka ninguém porque não quer concorrência;

-Linka todo mundo porque quer links de todo mundo;

-Quando você dorme sonha com um template novo;

-Coloca scripts para evitar que copiem seus textos e imagens utilizando o teclado e o botão direito do mouse;

-Já pensou em colocar espaço para publicidade no blog;

-O computador pifa e você pifa junto;

-Não suporta mais escrever no blog, mas não o deleta porque desaprendeu a viver sem comentários;

-Você grita, se descabela e esmurra o computador quando expira o tempo de postagem e você perde um post inteirinho; 

-Seus últimos sonhos de consumo estão todos relacionados ao blog: notebook, câmera digital, webcam, speed… 

-Quando está com amigos blogueiros fica calado para evitar que suas idéias sejam usadas por eles;

-Já pensou em vender o blog, passar o ponto;

-Pensa seriamente em colocar uma foto sua de nu frontal com o endereço do blog pra ver se ela vira spam e o sucesso te leva pra televisão, revistas…

-Acha que o blog é a sua grande chance de tornar-se uma celebridade;

-Mente descaradamente, mesmo com o contador aberto, sobre o seu número de visitas;

-Deseja esganar um pescocinho quando vê que copiaram um texto e ignoraram a autoria (a propósito, este texto foi escrito por Alê Félix, do www.alefelix.com.br).


Passados quase 6 anos deste post, os sintomas continuam muito atuais.

Você se identificou com quais destes ítens?

 

Músicas ouvidas durante o postJorge Ben Jor – Taj Mahal; Filho Maravilha; W Brasil; País Tropical; Spyro Gyro; Que Maravilha; Por Causa de Você; Menina; Chove Chuva; Zazueira (destaque para todas, salve Jorge)

BlogBlogs.Com.Br


%d blogueiros gostam disto: