Arquivo da tag: carteira

Bilionários Brasileiros: Lírio Parisotto

Vou escrever uma série de posts sobre os bilionários brasileiros e suas histórias de sucesso.
Começando com Lírio Parisotto.

Comprar é coisa de pobre. Rico vende.

Quem disse que precisa ser economista para saber multiplicar seu dinheiro?
O médico Parisotto está ai para provar que, em se tratando de investimentos em ações, conhecimento sobre as empresas onde se vai investir o dinheiro conta mais que um canudo universitário.
Ele segue os mandamentos do guru e também bilionário Warren Buffet. Só investe em empresas sólidas e líderes em seus segmentos de mercado.
“Procuro investir em empresas que conheço, assim consigo acompanhar as perspectivas de mercado” diz. Parisotto trata sua carteira de ações como se fosse um time com 12 atletas. Neste conjunto de 12 empresas, também há espaço para os “azarões”, as promessas que podem ou não vingar. “Caso a empresa não apresente o resultado esperado num período determinado, substituo por outro jogador”.

Administrando desta forma, seu fundo L.Par da Geração Futuro se tornou o maior do País na categoria ações livre e por consequencia colocou Parisotto na vitrine como um dos principais investidores pessoa física da BM&FBovespa. Ele já acumula um patrimônio estimado em mais de R$ 2 Bilhões.

O que aprender com o Bilionário:

Tenha Objetivos – Ele nasceu pobre, mas sempre sonhou com prosperidade e riqueza. Foi agricultor aos 13 anos, seminarista, médico, empresário. Conquistou seu patrimônio com seus próprios esforços;

Tenha Persistência – Foram 3 tentativas no mercado de ações. Na primeira em 1971, investiu o equivalente ao valor de um Fusca, que era tudo o que tinha na época. Resultado, perdeu tudo. Na segunda, em 1986 quando as condições financeiras já eram mais favoráveis, comprou na “alta” e viu US$ 300 mil virarem pó. Somente na terceira tentativa, depois de buscar informações sobre as empresas, entendendo melhor do funcionamento do mercado de ações, passou a se basear em fundamentos para investir. Com uma carteira sólida, obteve rendimentos maiores que qualquer outro investimento. “Meu benchmark é o Índice Bovespa, e em 2007 ele cresceu 43%, enquanto que o meu fundo de ações cresceu 80%”, diz;

Leia. Busque informação – No jornal Gazeta Mercantil, Parisotto lia constantemente a coluna de Décio Bazin, que tratava de economia. Acabou comprando seu livro “Faça Fortuna com Ações, Antes que seja Tarde”. No livro, o autor mostra como operar com segurança e lucro na Bolsa de Valores. Teve a inspiração necessária para voltar a investir no mercado de ações;

Tenha um plano B – No caso de Parisotto, como a carreira de investidor não estava lhe trazendo bons frutos, este preferiu investir no ramo empresarial. Na década de 80 abriu uma loja de eletrodomésticos. Em 1988 surgia a Videolar, empresa que hoje é líder no mercado brasileiro de DVDs e Blue-ray;

Determine qual é o seu limite – Na terceira tentativa no mercado de ações, Parisotto investiu US$ 2 milhões e atingindo o dobro deste valor, sairia do mercado. Um ano depois já tinha dinheiro suficiente para comprar do sócio a outra metade da empresa Videolar;

Tenha Critérios –  “Compro ações para casar e não para ficar” diz Parisotto que utiliza o preço/lucro (P/L) como um dos critérios para comprar e possui a mesma carteira de ações a 12 anos. Segundo ele é preciso saber realmente quanto vale uma empresa antes de investir. “Hoje, tenho como critério de investimento os seguintes segmentos: energia elétrica, siderurgia, bancos e mineração. E somente 2% ou 3% de empresas exóticas”, afirma. Parisotto investe baseado em análise fundamentalista, ou seja, compra as ações baseado no estudo dos fundamentos da empresa, e não fazendo uso de análises técnicas;

Tenha controle – Controle o medo na queda, controle a ganância na alta. Em 2008, Parisotto viu seu fundo passar de R$ 1,3 Bilhões para cerca de R$ 700 milhões no auge da crise. Ele nadou contra a maré e ao invés de realizar o prejuízo vendendo as ações na baixa, manteve a frieza e passou a buscar pechinchas, já que os preços tinham despencado. Com o controle de um zen budista, conseguiu se recuperar num momento onde muitos se jogariam de prédios;

Outras dicas – Compre na baixa e venda na alta. Não invista em empresas que contratam muita consultoria. Segundo ele, “Não se deve investir em ações, mas sim em empresas”, ou seja, o balanço da companhia é mais importante do que o momento do mercado. Também deve ser analisado com cautela a evolução de produtos e atitude dos CEOs das empresas. Não invista em IPO. Tenha uma carteira enxuta, que você consiga acompanhar. Nunca compre ações de companhias aéreas e de comércio varejista, pois o seu mercado é bastante instável. Procure dar preferência a papeis de empresas que lucram e distribuem dividendos entre seus acionistas (estratégia conservadoras conhecida como income stocks/ações de renda). Jamais coloque na bolsa de valores o dinheiro do qual vai precisar, ou seja, aplique a longo prazo.

Lirio Parisotto é o Warren Buffet Brasileiro.

Para finalizar, assista uma entrevista e uma palestra de Lírio Parisotto na Expo Money 2010:

Clique no link para ver a palestra:

palestra-lirio-parisotto-expo-money-2010

Anúncios

Investir Dinheiro

Depois da dificil missão de poupar dinheiro, agora chegou a hora de investir em alguma aplicação. Até porque, deixar o dinheiro parado na conta corrente não é uma atitude das mais inteligentes.

Mas como começar?

Primeiro você deve verificar qual o seu perfil de risco, quais os seus objetivos, quais as suas necessidades e quando você deseja que estas necessidades sejam supridas.

Cada investidor possui um perfil de risco, que pode ser conservador, moderado ou agressivo:

  • O investidor com perfil conservador pode ser comparado aos seus avós, dizendo que o mundo já não é mais o mesmo, que no tempo deles tudo era diferente. Eles são totalmente avessos ao risco, não querem se preocupar muito, não querem sofrer com as notícias diárias de crise. O investidor conservador prefere investir em fundos de renda fixa;
  • O investidor com perfil moderado pode ser comparado a seus pais. Este, já está disposto a correr algum risco, porém moderado. Ele guarda dinheiro e acompanha as condições de mercado para aplicar quando a situação se mostrar favorável. Este investidor prefere aplicar seu dinheiro em fundos multimercado, aproveitando o mercado com maior rentabilidade;
  • O investidor com perfil agressivo, é você na ápoca da adolescência. Ganha mesada do pai, além de dinheiro dos tios e avós. Por ter recursos sobrando, está sempre disposto a arriscar. Se algo der errado, seu patrimônio não estará comprometido totalmente. Este investidor pode se dar ao luxo de escolher um investimento que implica em risco, como as ações.
qual o seu perfil?

qual o seu perfil?

 

Cada investidor também possui um objetivo, com uma determinada necessidade, num horizonte de tempo para ser atingido. Exemplos:

OBJETIVO: Reserva para emergências inesperadas
NECESSIDADE: O menor risco e alta liquidez 
HORIZONTE DE TEMPO: Seis meses

OBJETIVO: Reserva para a aposentadoria 
NECESSIDADE: Preservar o poder de compra da moeda 
HORIZONTE DE TEMPO: 15 anos
 
OBJETIVO: Realizar curso no exterior 
NECESSIDADE: Preservar o poder de compra da moeda estrangeira 
HORIZONTE DE TEMPO: 3 anos

OBJETIVO: Dobrar o capital atual 
NECESSIDADE: Assumir mais risco para obter maior retorno 
HORIZONTE DE TEMPO: 7 anos

            

o tempo também vai passar pra você

o tempo também vai passar pra você

Para cada um dos exemplos, existe um investimento mais adequado.

Mas qual seria?

Quando o investidor procura a melhor alternativa, de forma intuitiva ele busca a que melhor combine 3 atributos: Rentabilidade, liquidez e segurança. Sendo que sempre terá que abrir mão de pelo menos 1 destes atributos em favor de outro:

  • Poupança: É um investimento com rentabilidade baixa, liquidez alta e segurança alta;
  • Imóveis: É um investimento com rentabilidade baixa, liquidez baixa e segurança alta;
  • Fundos de renda fixa: É um investimento com rentabilidade moderada, liquidez alta e segurança alta;
  • Ações: É um investimento com rentabilidade alta, liquidez alta e segurança baixa.

Destes, rentabilidade é o mais forte atributo, mas também o mais perigoso, já que rentabilidade passada (lucro passado), não é e nem pode ser garantia de rentabilidade futura (lucro futuro).

 

Análise de Cenários: RISCO x RETORNO ESPERADO

Após escolher o tipo de aplicação, e verificar o seu perfil, o investidor deve ficar atento a análise de cenários que envolvem risco e retorno esperado. Neste caso, investimentos mais conservadores implicam em ganhos mais modestos. Já, pessoas com postura de investimento mais agressivas, tendem a ter rentabilidade mais elevadas, pois estão sujeitos a maiores riscos.

Exemplos:

  1. Fundo com rentabilidade de 20% e risco de 7%
  2. Fundo com rentabilidade de 18% e risco de 2%

O melhor cenário seria o segundo, em que o investidor teria uma boa rentabilidade para um risco menor quando se comparado ao primeiro cenário.

Cenários menos prováveis:
RENTABILIDADE ALTA x RISCO BAIXO (o melhor de todos os cenários)
RENTABILIDADE BAIXA X RISCO ALTO (o pior de todos os cenários)

Cenários mais prováveis:
RENTABILIDADE ALTA x RISCO ALTO
RENTABILIDADE BAIXA x RISCO BAIXO
ou seja, quem não arrisca, não petisca.

ou seja, quem não arrisca, não petisca.

Diversificar os Investimentos

Diversificar é o mesmo que você ir em uma loja de conveniência e comprar um pouco de chocolate, uns refrigerantes e uns salgadinhos. Todos vão fazer você engordar, porém, como as guloseimas são de diferentes tipos, evita o risco de você comer um só. Com os investimentos também funciona assim. Diversificando, você consegue reduzir o risco total de uma carteira de investimentos, pois preços de diferentes ativos não se movem exatamente juntos, ou na mesma direção. Ou seja, você ganha com alguns investimentos, perde com outros, mas o interessante é que no final os ganhos sejam maiores que as perdas.

Como fazer?

Levando em consideração tudo que foi dito acima, e só como forma de exemplo, os recursos poderiam ser alocados da seguinte maneira:

  • Câmbio: 10%
  • Derivativos: 10%
  • Ações: 20%
  • Renda Fixa: 60%

Certamente, o seu gerente nunca comentou sobre estas outras opções, diferentes da famosa poupança. Sabe porque? Como você, ele é um mero empregado que tem que cumprir certas metas na empresa. Uma delas é oferecer o investimento em poupança aos correntistas. Com relação as outras carteiras de investimento, o gerente só irá falar delas se for abordado, indagado. E como você é uma pessoa esperta, vai procurar se informar mais sobre estas diferentes alternativas de investimento, e da próxima vez que sentar para conversar com o engravatado, vai poder escolher as opções que mais se enquadram com o seu perfil e seus objetivos. 

Bons investimentos!

 

Músicas ouvidas durante o post: Bob Dylan – Don´t Think Twice, It´s All Right; Lay, Lady, Lay; Like a Rolling Stone; Queen Jane Approximately; Desolation Row; It Ain´t Me, Babe (LIVE); Mississippi; Most of The Time; Dignity; Someday Baby; Red River Shore; Tell Ol´Bill; Born In Time; Dreamin Of You; Huck´s Tune; 32-20 Blues; Series Of Dreams; God Knows; Can´t Escape From You; Ring Them Bells; Ain´t Talkin; The Lonesome River; Cross The Green Mountain; Duncan & Brady; Cold Irons Bound; Things Have Changed; Tryun To Get To Heaven; Marchin To The City; Mary and The Soldier; Man in Me; Stuck Inside Of Mobile With The Memphis Blues Again; All Along The Watchtower; Blowin´in The Wind; Desolation Row (unplugged); Love Minus Zero – No Limit (unplugged); Dignity (unplugged); Like a Rolling Stone (unplugged); I´ll Be Your Baby Tonight. (Destaque para todas).


%d blogueiros gostam disto: